Como educadores, lancemos boas sementes...

.

sábado, 28 de setembro de 2013

II Conferência da Escola Dominical

Estive ontem na Igreja presbiteriana Jardim América, dando palestra de abertura na IICconferência da Escola Dominical. Na foto ao lado estou com o pastor da igreja, Rev Carnot Jacy, o superintendente, Enio e Nilceia, que foi quem me fez o convite. Até parece que combinamos, que deveríamos ir todos de azul!

O tema central da conferência foi 
”Os desafios da Educação Cristã; Organizando a Escola Bíblica Dominical”.

 O evento foi voltado para a superintendência e professores envolvidos na Escola Dominical, além de pessoas interessadas no assunto.

.
A conferência traz um tema atual e é uma ótima oportunidade para serem debatidos temas como: os Principais problemas da EBD; Plano de Crescimento; entre outros; é um desafio a toda a liderança que sente o desejo de fazer da Escola Dominical um grande potencial de evangelização.

Na minha palestra de ontem, falei sobre a origem da escola dominical, finalidades, alcance, metodologias e escolha do material e delineei estratégias para envolver as famílias. 

Os outros preletores que falarão hoje,  serão: Rev. José Lapa  Professor de Educação Cristã do Seminário Teológico Presbiteriano Rev. Denoel Nicodemos Eller e Rev. Carnot Jacy Roque Junior, Pastor Titular da Igreja Presbiteriana Jardim América.



As pessoas se mostraram muito interessadas e me receberam com muito carinho. Agradeço a oportunidade de estar com vocês e desejo que o trabalho cresça cada dia mais!

domingo, 22 de setembro de 2013

Encontro de Casais/ Igreja Batista do Planalto

Estive, ontem à noite e hoje pela manhã, na Igreja Batista do bairro planalto, para falar no encontro e casais que eles promoveram.
Na noite de sábado, falamos sobre a família como um projeto de Deus para a humanidade e destacamos os papéis de cada um.
O pastor Pedro, sua esposa e seu filho, que estão comigo na foto ao lado, me receberam com o maior carinho e pudemos ter toda a liberdade para falar sobre as questões que julgássemos pertinentes.
Hoje pela manhã falamos sobre o tema do meu livro:
"Afinal, quem manda nesta casa?" onde falo sobre os desafios de criar os filhos na pós modernidade.
 Fizemos a palestra, paramos para com um coffee break e depois abrimos um momento para perguntas. Muitas dúvidas sobre como disciplinar os filhos, como conversar sobre sexo com eles, em que idade abordar certos assuntos. E ainda, o dilema sobre o fato da mulher trabalhar fora e ter que se dividir entre a
casa e a profissão.

Conversamos sobre estas questões e depois encerramos este momento.
Agradeço pelo convite e pela confiança!

sábado, 21 de setembro de 2013

Encontro Nacional de Gestores

Aconteceu, nesta semana que passou, o Encontro Nacional de Gestores das escolas da Inspetoria São João Bosco, da Rede Salesiana de Ensino. O SSEE (Sistema Salesiano de Educação em Escolas) organizou o evento com muito cuidado e carinho. A equipe do SSEE é composta pelo delegado, padre Ricardo Sávio, o gerente Franco Nápoli, a assessora pedagógica Heloísa Fonseca, pela estagiária Luciana e por mim, que também sou assessora pedagógica. Na foto ao lado estão Franco Nápoli, o padre Ricardo  a  Heloísa Fonseca.
Foi um momento riquíssimo de trocas, reflexões, formação e informação.
Todos os sistemas da Inspetoria tiveram a oportunidade de se apresentar, reforçando as  orientações aos gestores acerca de critérios da auditoria interna, Tecnologia da Informação, assessoria jurídica interna e externa, aspectos administrativos e filantrópicos, critérios de contratação e demissão, planejamento financeiro, contabilidade, plano de comunicação e marketing, e ainda, recebemos o consultor da Fundação Dom Cabral, senhor Maurício, com quem estou na foto ao lado, que nos falou resumidamente sobre a
assessoria que vem desenvolvendo há 4 anos com a equipe diretiva da Inspetoria São João Bosco. Uma frase dita por ele me causou grande impacto:
“Não percam tempo treinando pessoas que não tem talento.”
Na quinta feira ouvimos o consultor Tobias Ribeiro, com quem estou na foto ao lado, que nos falou, com
muita propriedade sobre como delinear um bom planejamento estratégico. Ele destacou a importância do gestor fazer um planejamento pessoal, conhecendo-se a si mesmo antes de mais nada. E disse uma coisa interessante: “ O que não pode ser medido, não pode ser gerenciado”.
Em seguida dei minha palestra, intitulada:
“Novos paradigmas, novos olhares.”
Destaquei seis paradigmas do século XXI e suas repercussões no cotidiano escolar:
1-      A nova organização da família
2-      O abismo de gerações

3-      A sociedade de direitos
4-      Diversidade
5-      Sustentabilidade
6-      Espiritualidade
O gestor deve estar atento a estas novas demandas e realidades.
 À tarde falamos sobre a inserção de novas possibilidades no ambiente escolar, tais como a educação sexual a matemática financeira, a filosofia para crianças e a robótica.
No dia seguinte, recebemos a educadora e mestre em educação, Sra Rosa Margarida, esta simpática com
quem estou na foto ao lado, que nos falou brilhantemente sobre a promoção da igualdade étnico racial, destacando a lei 10.362 que obriga as escolas a trabalhar a história da África e valorizar as contribuições do negros para a sociedade. Uma palestra maravilhosa, que encantou a todos e esclareceu muitos pontos ainda obscuros.
Em seguida, recebemos a Sra Kátia Smole, esta que está comigo na foto abaixo, mestre e doutora em educação e atualmente responsável por toda a parte pedagógica do material da Rede Salesiana, além de coordenar também os programas de formação continuada. Ela nos falou sobre as tendência da Educação Brasileira e mostrou dados concretos que nos mostram a necessidade de se trabalhar com a tecnologia para alcançar o aluno do século XXI.
Segundo ela, a escola ainda está no século IX e precisamos, urgentemente, avançar em nossas metodologias.
Finalizamos com “cases de sucesso”, onde gestores das nossas escolas puderam compartilhar ações que vem dando certo, que enriqueceram a todos nós.

 Agora é só aplicar tudo o que aprendemos! Que Deus nos ajude nesta nova empreitada!

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Liberdade e mudança

Este é o meu artigo do mês de setembro, na minha coluna do jornal Ana Lucia.

Liberdade e mudança

Por Priscila Pereira Boy- Pedagoga- Mestre em Educação


O mês de setembro me remete a duas palavras: Liberdade e mudança. A primeira  está ligada à comemoração da  independência do Brasil. Segundo nos conta a história, D.Pedro I, às margens do Rio Ipiranga, profere a célebre frase:
-“Independência ou morte!”
Pronto. Estamos livres. Agora não somos mais oprimidos por colonizadores que só querem o nosso trabalho, nossas riquezas, nos exploram e usufruem, sozinhos, de tudo o que seria de todos.  Agora não somos mais explorados, não roubarão nossas terras, nosso ouro. Agora sim, que fomos libertos, estamos prontos para ter uma vida digna e comunitária.

A outra palavra, mudança. Setembro é o mês da entrada da primavera. E quando esta estação chega, trás consigo as flores, brotam novas folhas, tudo fica colorido, alegre cheio de vida. Adeus folhas secas do outono, adeus árvores e galhos secos. Agora tudo é  novidade. Ver as flores se abrindo nos dá a exata dimensão de que a vida pode desabrochar, de que há esperança, de que podemos, depois de período de seca, florescer.

A liberdade que sonhamos ainda está longe de acontecer. Saímos das mãos dos colonizadores portugueses para os colonizadores globais.  A sociedade de consumo faz de nós povo explorado e escravo. Ávidas pelo lucro exorbitante e fácil, empresas fazem seres humanos reféns de salários de miséria, em troca de comida, água e abrigo.

Uma mãe americana comprou um brinquedo “made in China” e dentro dele, havia um bilhete escondido, escrito por um funcionário. O autor estava preso num campo de trabalho forçado no norte da China, trabalhando 15 horas diárias durante toda a semana. No bilhete ele dizia:
Se você comprar este produto, por favor, mande esta carta para a Organização Mundial de Direitos Humanos” –  de pessoas na China, que sofrem a perseguição do Partido Comunista, ficar-lhe-ão gratas para sempre”.

Diante disto, eu me agarro na esperança da mudança. Acredito que as flores vão se abrir, que o cenário há de ficar mais belo. Para isto, basta a gente se unir e fazer parte desta mudança.
Todos os dias eu me pergunto como posso contribuir para ver, ainda em vida, um mundo melhor. Pequenas ações podem fazer diferença: eu não compro produtos quando sei que estes utilizaram mão de obra escrava.  Evito a ostentação, a segregação, contribuo financeiramente com obras sociais, desenvolvo trabalho voluntário. Eu e muita gente que conheço por aí, fazemos a nossa parte.


Que tal você também fazer a sua? Faça algo que esteja ao alcance da sua mão. Dê um sorriso ao frentista do posto, agradeça à varredora de rua que cuida da nossa cidade. Veja as pessoas simplesmente como pessoas.  E não se assuste se, ao adotar tais atitudes, a pessoa mais beneficiada com isto for você!

domingo, 1 de setembro de 2013

Curso da ACSI em São Paulo

Estive, de quinta a sábado, em São Paulo para fazer um curso promovido pela ACSI- Associação Internacional de Escolas Cristãs.
Trata-se de uma organização internacional de escolas cristãs sem fins lucrativos, com seu escritório central em Colorado Springs, EUA.
Conta com mais de 25 mil escolas associadas, em mais de 115 países, tendo mais de um 5.5 milhões de alunos. Existem 16 escritórios regionais ao redor do mundo, sempre respeitando a identidade cultural de cada nação.

A filosofia educacional da ACSI, fundamentada na Palavra de Deus, promove uma educação cristocêntrica, orientada para desenvolver uma cosmovisão bíblica por meio de cada educador, cada matéria acadêmica e cada parte do programa escolar. Se você deseja saber mais, associar-se ou mesmo montar sua própria escola cristã, acesse o link abaixo e informe-se.

O curso foi maravilhoso e tive oportunidade de conhecer melhor a filosofia da Associação bem como as pessoas que nela trabalham. Na foto acima estou com o diretor no Brasil, pastor Mauro Meister.  Foi ele quem me convidou a participar do encontro e sou grata a Deus por poder estar ali e aprender mais. Ele proferiu uma palestra sobre a cosmovisão cristã e nos deu boa base para compreendermos que não existe uma educação neutra, que tudo que somos, fazemos ou falamos é fruto da nossa cosmovisão sobre a vida. Trabalhar dentro de uma perspectiva cristã nos desafia a compartilhar esta visão com alunos e famílias.

Ao lado estou com a pedagoga da Associação, Dilean Martins. Ela tem excesso de simpatia e doçura e proferiu uma palestra sobre a contratação de professores, além de nos conduzir em uma devocional pela manhã, onde relembrou conosco a história de José do Egito. Texto bastante apropriado, pois ela destacou o papel de José como líder escolhido por Deus para executar uma grande obra. Posição similar a dos gestores ali presentes, que podem usar suas escolas para ajudar a muitos.
A programação foi bem completa (veja abaixo) e valeu a pena ter ido.
SEXTA-FEIRA
Credenciamento e Café das Boas Vindas
Abertura
Cosmovisão e a educação cristã – Parte I
Cafezinho
Projeto Pedagógico na Escola Cristã
Almoço
Cosmovisão e a educação cristã – Parte II
Coffee break
Planejamento financeiro
Encerramento

SÁBADO
Devocional
Marketing e captação de alunos
Coffee break
Currículo e legislação
Almoço
Missão e Visão
Coffee break
Contratação de professores
Encerramento


O auditório estava lotado, todos ávidos por saber mais sobre como implementar uma escola de qualidadepreservando os princípios cristãos.

Eu já me associei e agora faço parte deste sonho. Porque você também não vem partilhar esta visão conosco?