Como educadores, lancemos boas sementes...

.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Artigo publicado na Revista Profissão Mestre de Maio

Como muitos sabem, tenho uma coluna de Inclusão na Revista profissão Mestre.

Confiram meu artigo da revista de maio. O tema desta vez é a sindrome de down.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Palestra no Seminário Presbiteriano


Estive sábado a tarde no Encontro da Familia Seminariana, no Seminário Teológico Presbiteriano Rev, Denoel Nicodemos Eller, em BH. Um evento para seminaristas, pastores, suas esposa e filhos. Falei sobre o meu livro: "Afinal, quem manda nesta casa?" Muitas pessoas estavam presentes, ávidas para saber a melhor forma de educar os filhos. Na foto ao lado estou com o Ver Waldir, diretor do Seminário, que me recebeu com muita deferência.
Conversamos sobre os desafios de criar filhos nos dias atuais. Destacamos a nova família brasileira segundo dados do IBGE.
Famílias, tradicionais, Famílias monoparentais, Famílias recasadas, Famílias ampliadas e Famílias não convencionais.

Destacamos o fenômeno da globalização e as pressões que ela nos traz, bem como suas repercussões para as relações familiares. Por último, falamos sobre as várias facetas da educação e dos cuidados que os pais devem dispensar aos filhos:

Cuidados físicos:


-Alimentação, sono, cuidados pessoais, sexualidade;

Cuidados afetivos:

- Construção da auto estima, através de elogios da pequenas conquistas, valorização das
qualidades do seu filho, contatos físicos, como abraço, beijo etc.

Cuidados Pessoais e Sociais:


-Importância da delimitação de regras claras e colocação de limites. As regras sociais devem ser observadas e cumpridas, para que as relações com as pessoas sejam harmoniosas.É necessário também um monitoramento das amizades dos filhos, bem como estar atentos ao que eles estão tendo acesso,  principalmente através da internet.

Cuidados Cognitivos:

-Cuidar do intelecto do seu filho também faz parte dos cuidados essenciais. estimular a leitura, levá-lo em atividades culturais, conversar
sobre atualidades e cultura geral.

Cuidados espirituais:

-Ler a bíblia, orar, envolver-se em atividades sociais, contribuir financeiramente.


Foi um momento muito rico e abençoado! 

Entrevista concedida ao portal Globo educação: UFMG adere ao SISU


A UFMG aderiu ao SISU.Mas, você sabe o que é ?Concedi entrevista para o portal Globo Educação. 
Conversamos sobre como funciona o sistema do SISU  ( Seleção Unificada das Universidades Federais) e falamos um pouco sobre o ENEM, processo que mobiliza muitas pessoas e que vale uma vaga nas Universidades.

Confira a reportagem no link abaixo:

terça-feira, 23 de julho de 2013

Tempo de mudança



Um grande amigo, Marcelo Gualberto, escreveu este texto e tive que compartilhar aqui no blog...



Como a maioria, achei ótimas as manifestações ocorridas em todo o Brasil. O motivo da gritaria geral não se resume a uma reivindicação e sim um estado de coisas que vem se agravando nos últimos anos.
No meio da alegria me veio a lembrança de uma história contada por Jesus que fala da importância de ser fiel no pouco. Entendi que o manifesto não é só contra a corrupção que envolve políticos, governantes, lobistas e empresários. É também contra mim. Enquanto eles não são fiéis no muito, não sou no pouco. À medida que não economizo água; jogo lixo no chão; furo fila; avanço o sinal; estaciono na vaga destinada ao deficiente físico; levo para casa canetas que são do meu local de trabalho, etc, etc, fica claro que faria muito pior do que aqueles contra os quais estou protestando, se por lá estivesse. Se quero um Brasil melhor, preciso ser um uma mãe melhor, uma esposa melhor, uma vizinha melhor, uma cidadão melhor....
Então, aproveitando a onda de manifestações, segue abaixo minha pauta de reivindicações no manifesto que lanço contra mim mesmo:

POR UM BRASIL MELHOR: TUDO MUDA QUANDO EU MUDO

1) Passe livre para meus filhos e esposo quando qualquer uma delas precisar da minha atenção.

2) Maior investimento em transporte público com a "carona solidária" para meu vizinho ou colega de trabalho.

3) Tolerância zero no trato com aquilo que não me pertence.

4) Não a qualquer tipo de violência, mesmo que a razão esteja do meu lado.

5) Controle total das minhas palavras, principalmente aquelas que são usadas para julgar ou criticar o meu próximo.

6) Preservação do (meu) meio ambiente com a adoção imediata na minha casa e no meu local de trabalho do plano 3 Rs (Reduzir o consumo, Reaproveitar e Reciclar).

7) Acabar com a corrupção, não oferecendo nenhum tipo de gorjeta para conseguir favores de quem quer que seja.

8) Investir na (minha educação), substituindo projetos de "BURRIFICÇÃO" (tipo assistir TV demais), por projetos de crescimento pessoal como a leitura de um bom livro.

POR UM BRASIL MELHOR: TUDO MUDA QUANDO VOCÊ MUDA! ".


terça-feira, 16 de julho de 2013

A escola está na idade média. Os alunos estão na idade mídia....

O século XXI nos impõe novas formas de pensar. Principalmente porque o aluno está imerso em um mundo que, para muitos professores ainda é novidade.

A inclusão de recursos digitais na escola ajuda a aumentar a comunicação entre estudantes e professores.

Projetos desenvolvidos por meio de blogs,  aulas interativas, uso de portais, celulares e outras midias alternativas incentivam a maior participação dos alunos nas atividades escolares e proporcionam benefícios na aprendizagem.

Há vários tipos de trabalho que o professor pode desenvolver.
Ele pode criar um blog de disciplina, em que o professor e alguns alunos teriam acesso à edição, blog do professor, no qual só ele entra para publicar textos interessantes relacionados ao assunto da aula,  coloca correção de atividades e propostas de trabalho ou até mesmo o Para Casa e ainda o blog de aluno, em que os estudantes publicam os trabalhos que realizam e o professor entra com comentários.

A Rede Salesiana de Ensino, onde atuo com Assessora Pedagógica, disponibiliza aos seus educadores e alunos o Portal Futurum. O Portal traz múltiplas funcionalidades, que facilitarão a vida dos educadores e educando, além de propiciar um contato  também fora da sala de aula.

A iniciativa de usar recursos dos meios digitais na educação também tem seus entraves. Um deles é a dificuldade que o professor tem tanto em sua atualização quanto na disponibilidade de tempo para interagir com estas novas midias.

São muitas as possibilidades, mas temos que superar as barreiras.

O mais difícil é abrir a mente para novos rumos, desconstruir práticas e abrir mão de convicções. Isso sim é a maior barreira para a mudança na Educação. Colocar-se disponível para  novas possibilidades poderá lhe trazer resultados surpreendentes!

Para conhecer o portal, acesse:
http://www.portalfuturum.com.br/home.php

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Artigo publicado no jornal Ana Lucia, de BH

Consumismo e amor de mãe
Por Priscila Pereira Boy
Pedagoga- Mestre me Educação

priscilaboy@terra.com.br www.priscilaboy.blogspot.com

Era tarde de domingo e eu estava inquieta, assentada na frente do meu notebook, sem saber ao certo sobre qual assunto deveria permear minha coluna deste mês. Minha filha Paula Boy, de apenas treze anos percebeu minha agitação e perguntou o que estava acontecendo. Eu disse que estava pensando sobre o que escrever na minha coluna do jornal, que estava no limítrofe do prazo e ela me ofereceu um “ artigo” dela para me ajudar a aplacar minha angústia.

-“Eu escrevi algo sobreo consumismo, acho que dá para ser um artigo. Se a senhora quiser, eu pego lá pra que a senhora use na sua coluna.”

Na mesma hora eu topei e ela veio com a folha na mão e começou a ler o que ela havia escrito:

CONSUMISMO ( Paula Pereira Boy)
“Meu sapato é de marca.”
“Você não tem isso.”
“Seu celular é ruim.”
“Que roupa fora de moda!”
“Que carro ultrapassado!”
“Eu tenho tal coisa”
“Sou mais rico que você.”
“Isso foi tão caro!”
Quem nunca ouviu alguma coisa dessas? Isso faz parte da vida, não dá pra evitar algo assim, não é? Sempre vai ter alguém “melhor” que você, com roupas mais caras, tênis de marca, um celular moderno, um carro de última geração...
Isso estimula o consumismo, um vício que, no final pode trazer várias consequências para uma pessoa. Já se imaginou comprando cada celular novo que aparece? Nossa! Ia ser uma loucura! Sem falar nas dívidas, vendendo o carro talvez conseguiria pagar.
O consumismo não faz bem pra ninguém, é fruto de uma competição para ver quem é o melhor. Te fazem acreditar que para ser feliz tem que ter tudo do bom e do melhor. Não acredite que não pode ser feliz sem o IPhone 5, você é o que é, quer as pessoas gostem ou não.


Quando ela terminou a leitura, confesso que engoli seco. Fiquei emocionada com a produção dela e me esforcei para não derramar lágrimas, porque pensei que chorar diante de uma leitura era meloso demais, mesmo para uma mãe, então me contive somente nos elogios que fiz a ela.

É incrível o sentimento que nutrimos pelos filhos. Sempre os vemos como as melhores pessoas do mundo. Os mais bonitos, os mais espertos. Podemos até reconhecer que eles cometem erros, mas tratamos de encontrar desculpas para justificá-los.
Eu achei o artigo da minha filhota algo fenomenal! E fiquei pensando se o fato de ser mãe dela estava me deixando míope, comprometendo meu espírito crítico em relação ao texto, mas cheguei à conclusão de que o "artigo" ficou bom mesmo!

Uma garota de 13 anos que consegue traduzir, em um texto, um assunto que vem sendo amplamente discutido, inclusive por especialistas, merece admiração.

O consumismo está acabando com as relações, está substituindo afetos , amores e sentimentos por coisas. Ele nos leva a crer que somos o que temos e quanto mais pensarmos assim, menos somos.

O consumismo leva à exploração das pessoas, o cerceamento da dignidade humana, a utilização de mão de obra infantil, o roubo da infância, da honestidade, da transparência...

O consumismo faz filhos e os deixa órfãos, porque em uma sociedade capitalista selvagem, não há parentesco, não há laço, não há bem estar. Só há o desejo de lucrar, de ter mais, de adquirir a qualquer custo, mas a um alto preço.

O consumismo nos desfoca das coisas simples da vida, com ler um texto da filha, como ser observada por ela, como a emoção de vê-la crescer consciente e lutadora por um mundo mais humano onde a única coisa que a gente queira ter, seja a FELICIDADE!

Ah! E esta bonitona que está na foto comigo é minha garotinha, a Paulinha.