Como educadores, lancemos boas sementes...

.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Debatendo a violência no Programa Bate Papo

Estive hoje pela manhã, juntamente com os deputados Vanderlei Miranda e  João Leite, o promotor de justica Celso lopes, o diretor da associação de pais de Minas Gerais, Sr. Mário e o  ex diretor municipal Ildeu Soares , no Programa bate papo da Rede Super de televisão. Discutimos a violência nas escolas e na sociedade.
Levantamos as causas do tamanho caos diante do qual somos colocados todos os dias. Alunos que não respeitam professores, ameaças, indisciplina generalizada. Quais as causas de tamanha violência?
Nova organização da família, saída da mulher para o mercado de trabalho, globalização, fomento exagerado ao consumo são algumas das varáveis intervenientes neste processo.
Crianças sem referência, famílias ausentes. É urgente um resgate da Instituição familiar. Só haverá engajamento, quando houver políticas públicas que favoreçam e possibilitem a interação e a articulação da família com a escola.
O tema é amplo e deve ser debatdo exautivamente. Na foto estou com o deputado Vanderlei Miranda, o deputado João Leite, o presidente da associação de pais Sr. Mário, o ex diretor municipal Ildeu Soares e o promotor de justiça Celso lopes.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Fracasso escolar e violência: uma relação diretamente proporcional

Estudos sobre violência contra crianças e adolescentes indicam que os principais suspeitos geralmente
são familiares e conhecidos, o que torna difícil a sua denúncia.

Segundo o Ministério da Saúde,menos de 10% dos casos chegam às delegacias. Dentre os tipos de violência cometidos, a violência sexual é a menos denunciada na sociedade brasileira, por várias razões.

 É consenso, entre muitos pesquisadores, que há um severo impacto na vida acadêmica das vítimas de violência.  Há alterações no desenvolvimento cognitivo, na linguagem, na memória e no rendimento escolar. Agressividade, impulsividade e propensão à promiscuidade também têm sido frequentemente relatados.

Na infância e na adolescência, a escola pode ser um local ideal para detecção, intervenção e promoção de fatores de proteção que diminuam a violência e seu impacto sobre o desenvolvimento dos alunos. A escola deve se comprometer com a garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes e os educadores devem se engajar na defesa desses direitos.

A atuação do professor na identificação e denúncia da violência é fundamental, principalmente nas primeiras séries, quando os educadores permanecem cerca de quatro horas diárias com as crianças.

Existem alguns sinais, diante dos quais devemos ficar atentos, visando identificação da violência: presença de sinais físicos, faltas às aulas, alteração de comportamento, comportamento sexual inadequado, relato da vítima.Não vamos fechar os olhos para os sinais que as crianças nos demonstram no dia a dia. A escola pode ajudar muito a quebrar o ciclo da violência.

Ela deve procurar conhecer o universo de informações sobre o tema  para delinear um programa que possa capacitar seus profissionais.

Vamos proporcionar um espaço de escuta, de acolhimento, porque podemos fazer muito se nos dispusermos a lutar coletivamente pelas crianças e adolescentes.