Como educadores, lancemos boas sementes...

.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Congresso em Porto Seguro


Estive esta semana em Porto Seguro, participando do CIDEB: Um Congresso Internacional de Educação que tinha como tema central o uso da tecnologia na sala de aula. Nas fotos estou no stand da livraria que vendeu meu livro e com com grandes nomes da Educação: o professor José Pacheco, Vasco Moretto, Teuller Reis.
Minha palestra foi intitulada:
“A escola está na idade média, os alunos na idade mídia”
O século XXI nos impõe novas formas de pensar. Principalmente porque o aluno está imerso em um mundo que, para muitos professores ainda é novidade.
Falamos sobre as novas gerações, sobre as ondas civilizatórias de Alvin Tofller e sobre a Era Pós Moderna.
A inclusão de recursos digitais em salas de aula ajuda a aumentar a comunicação entre estudantes e professores. Projetos desenvolvidos por meio de blogs e aulas interativas incentivam a maior participação dos alunos nas atividades escolares e proporcionam benefícios na aprendizagem.
Há vários tipos de trabalho que o professor pode desenvolver com blogs. Citei exemplos do professor Guto, que tem usado os blogs, sites e o youtube para dinamizar suas aulas.
A iniciativa de usar blogs e outros recursos dos meios digitais na educação também tem seus entraves. Um deles é a dificuldade que o professor tem tanto em sua atualização quanto na disponibilidade de tempo.
São muitas as possibilidades, mas temos que superar as barreiras. Quando estamos dispostos a mudar, sempre surge uma solução.
O mais difícil é abrir a mente para novos rumos, desconstruir práticas e abrir mão de convicções. Isso sim é a maior barreira para a mudança na Educação.
.

domingo, 24 de junho de 2012

Revista Sentidos indica meu livro

A revista SENTIDOS, que fala sobre crianças com necessidades especiais,  deste mês indicou meu livro como leitura obrigatória aos educadores que querem saber mais sobre inclusão.
No livro eu abordo conceitos diferentes sobre muitas questões: o que é discriminação lícita e ilícita, as ações afirmativas em favor das pessoas com deficiência e o direito de todos a uma escola pública, de qualidade.
Destacamos as dificuldades dos educadores para lidar com a diversidade na sala de aula.
Agradeço aos editores da revista pela indicação e convido a todos a conhecer melhor a minha obra.
Para adquirir o livro entre no site da editora, clicando no link abaixo:

http://www.wakeditora.com.br/pesquisa/pesquisa.php?texto_procura=inquieta%C3%A7%C3%B5es+e+desafios+da+escola&tipo_procura=todos

Artigo publicado no jornal A Tribuna de Santos


Foi publicado um artigo meu, no jornal Escola, Tribuna de Santos. Nele falo sobre a violência que assola a todos nos dias atuais. Destaco o papel da escola e da família na prevenção, identificação e denúncia contra toda forma de violência que acontece com as os indivíduos. Se vocêquiser conferir o artigo é só clicar no link abaixo:

http://hotsites.atribuna.com.br/atribuna/jornalescola/noticias.asp?idConteudo=406&categoria=1


terça-feira, 19 de junho de 2012

Encontro de casais no Raja Grill


Aconteceu ontem, no Raja Grill, o encontro de casais da Igreja Presbiteriana do Boa Vista. Foi uma noite muito agradável, que contou com a presença de mais de 50 casais. Ao lado estou com o maridão.
Fui convidada para ministrar uma palestra e conversamos sobre os tema:

" Casamento, desatando nós e criando laços"

Falamos sobre a existência de dois tipos de família: A de origem e a de reprodução.
Depois destacamos que o casamento é a forma que usamos para constituir família e que ele tem muitos inimigos...O humanismo, o racionalismo, o feminismo e o ateísmo, são correntes filosóficas e ideológicas que se contrapõem a alguns princípios bíblicos planejados para o casamento.
Segundo a palavra de Deus, os filhos devem obedecer e honrar seus pais, as esposas devem submeter-se ao marido e os maridos devem amar suas esposas como Cristo amou a sua Igreja.

Após a palestra, foi servido um delicioso jantar e todos puderam se confraternizar.
Na foto ao lado estou com a Fabricia e a Nivea. Juntas, formamos a Equipe do Ministério de Casais.
Contamos também com a presença dos casais da Igreja Presbiteriana do Vera Cruz e do Riacho da Pedras.
Fui muito bem recebida por todos, com acolhimento e carinho e louvo a Deus por isso.
Agradeço pelo convite e espero voltar em breve com novas reflexões, com o intuito de ajudar os casais a manter um casamento feliz e equilibrado!

terça-feira, 12 de junho de 2012

Consultoria para PBH


Esta semana fechei dois contratos de Consultoria para Unidades Municipais de Educação Infantil (UMEIS). Fiquei muito feliz e me lembrei de um livro que li, há muito tempo atrás, intitulado:


Tudo Que Eu Devia Saber Aprendi No Jardim-De-Infância (Robert Fulghum)

O livro é uma delícia de ler e compartilho um pedaço dele com vocês:

Tudo o que hoje preciso realmente saber, sobre como viver, o que fazer e como ser, eu aprendi no jardim de infância. A sabedoria não se encontrava no topo de um curso de pós-graduação, mas no montinho de areia da escola de todo dia.Estas são as coisas que aprendi:
1. Compartilhe tudo;
2. Jogue dentro das regras;
3. Não bata nos outros;
4. Coloque as coisas de volta onde pegou;
5. Arrume sua bagunça;
6. Não pegue as coisas dos outros;
7. Peça desculpas quando machucar alguém; mas peça mesmo !!!
8. Lave as mãos antes de comer e agradeça a Deus antes de deitar;
9. Dê descarga; (esse é importante)
10. Biscoitos quentinhos e leite fazem bem para você;
11. Respeite o limite dos outros;
12. Leve uma vida equilibrada: aprenda um pouco, pense um pouco... desenhe... pinte... cante... dance... brinque... trabalhe um pouco todos os dias;
13. Tire uma soneca a tarde; (isso é muito bom)
14. Quando sair, cuidado com os carros;
15. Dê a mão e fique junto;
16. Repare nas maravilhas da vida;
17. O peixinho dourado, o hamster, o camundongo branco e até mesmo a sementinha no copinho plástico, todos morrem... nós também.

Pegue qualquer um desses itens, coloque-os em termos mais adultos e sofisticados e aplique-os à sua vida familiar, ao seu trabalho, ao seu governo, ao seu mundo e vai ver como eles o ajudarão a viver melhor!.

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Rótulos

Cuidado com a forma como você trata as pessoas...

Tradução do quadro abaixo:

"Somos todos gênios. Mas se você julgar um peixe pela sua capacidade de subir em uma árvore, ele vai viver a sua vida inteira acreditando que é burro."


sábado, 2 de junho de 2012

Artigo Folha de São Paulo


Ao ler este texto, da “ Folha de São Paulo” de terça-feira, dia 29,iIdentifiquei o docente homenageado pelo autor como aquele professor que desejamos  ser  e que tem sido quase  uma utopia de nossa profissão. Pensei, ainda, que essa figura, hoje tão pouco valorizada, talvez merecesse de cada um(a) de nós um momento de reflexão quanto ao nosso papel neste horizonte de inovação para o qual, inseguros, olhamos.


Artigo transcrito da Folha de São Paulo de terça-feira, 29 de maio de 2012

Lições do melhor professor que conheci
Roberto Leal Lobo e Silva Filho

Aos 75 anos, morreu na semana passada, vítima de uma parada cardíaca, Almir Massambani, docente de física desde 1962 na USP de São Carlos. Seu nome é pouco conhecido, a não ser por seus ex-alunos.
Almir foi um professor de verdade. Não era um cientista, fez um doutoramento porque a USP exigiu, mas o que ele gostava mesmo de fazer era de ensinar, conviver e amar seus estudantes. E era amado por eles. Fazia questão que seus alunos aprendessem o que estava ensinando.
Era um professor por excelência, pois o que o motivava e preocupava era o sucesso do aluno, não seu próprio – figura rara nas universidades de hoje, pois o bom docente que não pesquisa tem pouquíssimos mecanismos de valorização e promoção.
 Formar bem profissionais e novas lideranças pode exigir produção, aplicação e divulgação de novos conhecimentos, mas para ensinar bem é preciso vocação e preparo específico. Caso contrário, essas instituições não deveriam ser universidades, mas centros de pesquisa.
O que mais vejo nos meus estudos sobre evasão no ensino superior: a pouca atenção que se dá ao aluno ingressante é uma das maiores causas do abandono de cursos, como já provou Vincent Tinto, o maior especialista do mundo no assunto.
O que vemos mais é a nostalgia – por vezes revoltada – que os docentes demonstram com a qualidade dos alunos que recebem quando comparada à de épocas passadas. Isso é um fato na maioria dos lugares, mas temos que lidar com os alunos como eles são, buscando formas de fazer com que acompanhem o curso.
Como eu sou natural do Rio (e Almir também era), sempre comentávamos que “jacaré” se pega no início da onda. No ensino, não é diferente. Se o aluno não pega a “onda” nos primeiros meses de aula, a onda passa e ele fica – ou seja, não acompanha a disciplina, é reprovado e, muitas vezes, desiste do curso. Uma perda para ele, para a instituição e para a sociedade como um todo, pois o país fica mais pobre!
Almir aplicou esse princípio ao enfrentar uma turma problemática no primeiro ano do nosso Instituto de Física de São Carlos. Sentou-se com a turma e quis entender qual seria o ponto correto de partida – não aquele que está nos livros, mas aquele que a turma poderia acompanhar.
Explicou o que precisariam saber para poder iniciar a disciplina, orientou a cada um para cobrir as lacunas por um mês e, a partir daí, iniciou o curso propriamente dito. Sucesso absoluto, reprovação baixíssima.
Hoje, o querido Almir seria o que se chama “coach”, figura tão valorizada nos processos de formação intelectual, artística ou esportiva.
Quando elogiado, perguntava: “Não é obrigação do professor fazer o aluno aprender?” Esse era o Almir. Um grande professor, o melhor que conheci. E um grande amigo.

Roberto Leal Lobo e Silva Filho, 73, professor titular aposentado do Instituto de Física de São Carlos da USP, é presidente do Instituto Lobo. Foi reitor da USP