Como educadores, lancemos boas sementes...

.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Aparência é algo importante?

Para ocupar uma vaga no mercado de trabalho é preciso competência. Mas, será que a aparência é algo sem importância?
A aparência não substitui a competência, mas ela pode beneficiar a pessoa competente. Li uma pesquisa, de 2009, com 514 diretores de RH de grandes companhias, na qual 50% deles acreditavam que o candidato não estava interessado no posto quando ia vestido à entrevista de forma inadequada. Há momentos em que a primeira impressão fica, e a entrevista de emprego é um deles.
Vc deve se vestir de acordo com o cargo pretendido. Quer uma vaga no setor jurídico ou executivo? Vista-se de forma mais conservadora.
Quer uma vaga em uma empresa de tecnologia, publicidade, arquitetura? Seja mais descolado, mostre seu lado inovador e criativo.
Mais importante do que saber o que vestir, é saber quem você é. Seu estilo vai falar um pouco sobre você. E sem essa de fingir ser outra pessoa. Comportamentos ensaiados não duram por muito tempo.
Cuide de sua aparência. Se você não conquistar o emprego pretendido, quem sabe conquista o amor da sua vida?

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Palestra no Encontro da família


Estive na Igreja Batista, Missão da Fé, em Betim , no encontro da família. Estavam presentes casais, adolescentes e crianças e conversamos sobre o propósito da família, bem como o papel de cada um nesta estrutura.
Fui convidada para falar sobre o casamento, bem como coisas indispensáveis que todos precisam saber sobre o sexo oposto.
O encontro estava bem cheio e foi um privilégio estar alí, compartilhando com todos um pouco do que tenho estudado e tratado em aconselhamentos que faço com outros casais.
Destacamos a importância da família estruturada e vimos características que diferenciam homens e mulheres.
Também apresentamos pesquisas que apontam o que as mulheres esperam dos homens e o que os homens esperam das mulheres.
Apos a palestra foi servido um delicioso lanche e todos puderam se confraternizar.
Agradeço a Deus pela oportunidade de estar alí e peço que Ele abençoe cada casal ali representado.

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Palestra no "Chá Chic", na Igreja Batista Getsêmani

Estive na Igreja Batista Getsêmani, para dar uma palestra sobre o meu livro:
"Afinal, quem manda nesta casa?"
O evento era um chá maravilhoso, intitulado " Chá Chic", preparado com muito carinho pelos pastores e amigos, Gladston e Thirley Eller. Teve Cup Cake, salgadinhos, sucos, refrigerantes, Croissants e tudo mais que você imaginar.
Conversamos sobre os desafios de criar filhos nos dias atuais. Falamos sobre a necessidade dos cuidados essenciais e destacamos os quatro pilares a serem trabalhados pela família:
Cuidados físicos;
Cuidados espirituais;
Cuidados cognitivos;
Cuidados sócio afetivos

Foi um momento muito abençoado e precioso. Todos prestaram a maior atenção e me receberam com muito carinho. Ao final, pude fazer dedicatórias a quem adquiriu meu livro e conversar um pouco com cada um.

Agradeço o convite e peço a Deus que abençoe todas as famílias desta igreja!

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Consultoria na UMEI Sabinópolis

Estive hoje na Unidade Municipal de Educação Infantil ( UMEI) Sabinópolis , em BH, para dar continuidade a consultoria que estamos fazendo com as educadoras para a construção do Projeto Político Pedagógico da Instituição. Nas fotos ao lado estão a coordenadora Adriana e a diretora, Ilca. Abaixo estou com as educadoras, que são 40 ao todo. Infelizmente não tiramos fotos com todas, pois a formação acontece em forma de rodízio, com pequenos grupos.
O Processo está acontecendo de forma participativa e as educadoras tem dado boas contribuições ao debate.
Hoje definimos nossa concepção de Criança, de Aprendizagem e Desenvolvimento Infantil.
Vimos que vários pensadores deram suas contribuições para ampliar este conceito de criança.
Estudamos um pouco sobre Comênio, Froebel, Decroly,Frenet, Montessori, Pestallozzi, Piaget, Vigostsky, Wallon.
Tem sido um momento muito rico , de reflexão e debate, os encontros com estas educadoras.
O envolvimento e a participação de todas tem feito com o trabalho avance cada dia mais.
Agradeço pela confiança e pelo acolhimento.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Vem Sean Penn!


Domingo a tarde eu estava em casa e resolvi ligar a TV. Estava passando um programa onde um tal de Ariel, sua esposa e seu amigo ( os três com síndrome de down) estavam sendo entrevistados. O tema era sobre o filme Colegas, de Marcelo Galvão, que conta a aventura de três jovens que tem a síndrome de Down e que se aventuram com a maior ingenuidade do mundo, na ânsia de aproveitar a vida. A mídia os pinta como bandidos perigosos, mas na verdade são apenas pessoas querendo ser felizes.  Na vida real também acontece isto. Do lado e fora as pessoas pintam os deficientes como monstros, como pessoas incapazes, como pessoas que devem ser alvo de piedade.  Na verdade eles não são nada disto.
Achei o máximo aquilo tudo, porque sou uma lutadora em favor da inclusão e ver que um filme, que vai passar em rede nacional, tinha como protagonistas principais, três atores deficientes, fez meu coração pular de alegria e claro, caí em lágrimas.
O protagonista do filme, o ator Ariel sempre sonhou em ser ator, atuar no cinema, em rede nacional. Sonhou tão grande e tão alto, que olha ele aí, estreando no dia 01 de março! Algo para  nos fazer repensar os nossos próprios limites e de fazer corar aquela ponta de preconceito inconfesso, que todos nós carregamos, sem admitir.

O filme ainda nem estreou, mas a sua curta trajetória em festivais nacionais e internacionais dá uma amostra do tamanho do seu fôlego.
O longa-metragem dirigido por Marcelo Galvão vem conquistando as plateias por onde passa no país e exterior.  No cenário internacional, Colegas venceu o prêmio de público do 27º Festival del Cinema Latino Americano di Trieste na Itália. Também levou o prêmio de Melhor Filme no festival de cinema International Disability Film Festival Breaking Down Barriers em Moscou (Rússia), além de ter sido exibido no Red Rock Film Festival (Utah, EUA).
No Brasil, venceu o prêmio de Melhor Longa-Metragem Brasileiro no Festival de Gramado 2012 e foi eleito pelo público da Mostra internacional de Cinema de São Paulo como Melhor Filme Brasileiro, levando também o Troféu Juventude (votação do público estudante). Colegas foi aclamado no Festival do Rio (categoria hors concours) e foi o longa-metragem que abriu o Amazonas Film Festival.

E ainda tem mais: Ariel sempre disse que a sua decisão de seguir a vida de artista foi motivada pela paixão que ele tem pelo ator Sean Penn. E apesar dos vários prêmios que já ganhou com o filme, Ariel alimenta outro desejo: ele sonha em ter o ator ao seu lado no dia da estreia.
Foi para tentar tornar esse desejo realidade que a equipe de produção partiu para a realização de uma peça de marketing que, em poucos dias, se tornou um viral nas redes sociais.

O material recebeu o nome de” Vem Sean Penn”. Você ainda não compartilhou? Pois, participe deste sonho também!  

Será que o Sean Penn achou que ele ia ficar tão famoso assim de uma hora pra outra? Quero ver o filme e quero ver Sean Penn sentado do lado de Ariel. Um sonho dele que vira desejo nosso também. Se o sonho é dobrado que o sucesso também seja.
VEM SAN PENN, VEM!




domingo, 17 de fevereiro de 2013

Palestra no Encontro de casais na Igreja Presbiteriana Alto vera Cruz

Estive ontem na Igreja presbiteriana do Alto Vera Cruz, no encontro de casais. 
Fui convidada para falar sobre o casamento, bem como coisas indispensáveis que todos precisam saber sobre o sexo oposto.

O encontro estava bem cheio e foi um privilégio estar alí, compartilhando com todos um pouco do que tenho estudado e tratado em aconselhamentos que faço com outros casais.
Destacamos a importância da família estruturada e vimos caractrísticas que diferenciam homens e mulheres.

Também apresentamos pesquisas que apontam o que as mulheres esperam dos homens e o que os homens esperam das mulheres.
Apos a palestra foi servido um delicioso lanche e todos puderam se confraternizar.
Agradeço a Deus pela oportunidade de estar alí e peço que Ele abençoe cada casal ali representado.


quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Você se ama?


Navegando na internet, deparei-me com as fotos e críticas em torno da Madrinha de bateria da mangueira, Gracyane Barbosa. ( na foto ao lado veja o antes e o depois)
No passado, ela se destacou por seu corpo escultural, que sempre despertou desejo nos homens e inveja nas mulheres. Pois bem, ela não se conformou. Correu na busca frenética pelo corpo “perfeito”, malhou, malhou ( na minha opinião tomou alguma “bomba”) e deformou-se todinha.
Ficou masculinizada, musculosa demais e está recebendo críticas e chacotas por parte das pessoas e da imprensa.
Gente, porque correr atrás de mais e mais e não se contentar com nada?
Nós mulheres temos que ficar atentas às cobranças, pressões, estereótipos que nos são colocados. É preciso trabalhar bem a nossa autoestima para não cair em armadilhas e correr atrás do vento.
E que dizer da cantora britânica Amy Winehouse? Ela tinha sucesso, um voz maravilhosa, dinheiro, fãs, carreira com repercussão mundial... O que mais um ser humano pode querer? Teve um triste fim...
Lembro-me aqui de outro astro, Michael Jackson.
NUNCA vi um artista tão completo e tão talentoso como ele. Mas não se enxergava desta forma. Morreu sem se aceitar, buscando mudar coisas que não podem ser mudadas, como sua cor, por exemplo.
Pessoas com auto imagem distorcida, com infâncias marcadas por várias turbulências, com problemas pessoais, sociais e afetivos, sofrendo as pressões da sociedade para se tornarem pessoas que não são. Como se esta transformação, em ser quem você não é, fosse a única forma de se aceita e amada.
E estas situações todas me fazem refletir.
É preciso se aceitar. Se amar. Mudar o que pode ser mudado e aceitar aquilo que não podemos mudar, ou seja, aquilo que Deus determinou para nossas vidas.
Como educadora, me ponho a pensar em quantas coisas posso fazer pelas pessoas ajudando-as a se amarem e cultivarem seus pontos fortes.
Estarei atenta...

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

De quem é a culpa?


Esta avidez na busca por culpados na tragédia de Santa Maria (RS) acabou me fazendo refletir: somos assim mesmo. Temos sempre que expiar as culpas em alguém ou em alguma coisa.


Os bombeiros são os culpado, não, são os músicos da banda, não, são os donos da casa noturna, não, são os jovens que não tinham que estar lá, não, são os pais que não deviam tê-los deixado ir, não, é o governo que não investe em leis mais severas. 
E as mortes posteriores dos sobreviventes são culpa da falta de estrutura da saúde, do governo, etc....

Não pensem que estou defendendo a impunidade. Penso que deve haver apuração, punição severa e aprendizado, para evitar tragédias futuras.

Eu apenas me lembro de várias situações cotidianas nas quais preferimos debitar na conta do outro nossas próprias responsabilidades. 

O casamento não vai bem porque meu marido é muito difícil.
Minha esposa reclama de tudo, por isso não vivemos bem.
Meu filho está naquela fase rebelde, por isso o clima lá em casa é de tanta desarmonia.
Minha mãe não larga do meu pé, não aguento mais as cobranças, por isso eu a trato com tanta agressividade.
Meus alunos são terríveis, por isso não dou boas aulas.
Meus amigos não me ligam, não me dão valor, por isso eu sou tão triste assim.

São tantos os culpados pelas nossas insatisfações e ações, que a lista chega a não ter fim. E agora que você leu isto, você ficou preocupado se por acaso está transferindo suas culpas a alguém que não seja você mesmo.
E a culpa disto é minha. Quem mandou eu escrever este artigo?

Para saber detalhes do que aconteceu acesse:
http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1221477-saiba-como-foi-o-incendio-na-casa-noturna-kiss-em-santa-maria-rs.shtml