Como educadores, lancemos boas sementes...

.

sábado, 29 de março de 2014

Seminário Internacional de Educação Infantil

Hoje a tarde dei palestra no Seminário Internacional de Educação Infantil promovido pela Conexa Eventos. Ele aconteceu no Grand Darreyal hotel, em Belo Horizonte. 

O Congresso teve, ao todo, 523 inscritos e foi divido em vários momentos:
Palestras coletivas e cursos. O tema da minha apresentação foi:
"Projetos e práticas pedagógicas na Educação Infantil"

Conversamos sobre o trabalho com Projetos na educação Infantil, os tipos de Projetos e os motivos pelos quais devemos trabalhar com eles.
Apresentamos alguns modelos de Projetos Institucionais, promovidos pelo professor e pelo aluno.


Depois falamos sobre os Referenciais curriculares nacionais para a educação Infantil e sobre as diretrizes curriculares.
O planejamento das nossas ações educativas devem ser norteadas por intenções educativas, para que nossa prática não fique dispersa e vazia.
Apresentamos jogos como alternativa para uma prática pedagógica atraente.
Jogos para trabalhar a matemática, a linguagem oral e escrita, dente outras.O Grupo estava muito receptivo e participou com opiniões e ideias.
Agradeço o convite e a interação.


sexta-feira, 28 de março de 2014

Encontro de supervisores e orientadores da Inspetoria São João Bosco.

Terminou hoje o Encontro de supervisores e orientadores da Inspetoria São João Bosco. Três dias de muito diálogo, reflexão, aprendizado, convivência e muita alegria!!! Foram 14 escolas reunidas, para trocar experiências e investir na excelência acadêmica dos alunos.

No primeiro dia, o Padre Ricardo Sávio nos falou sobre Salesianidade. O sistema preventivo de Dom Bosco nos convida a ter um olhar especial para com nossos alunos e acolher as suas necessidades. O gerente do SSEE falou em seguida, sobre o planejamento estratégico da Inspetoria e os Projetos do Sistema Salesiano de Educação em Escolas.


À tarde, tivemos um momento riquíssimo: dividimos o grupo maior em pequenos grupos e lhes oferecemos um roteiro para compartilhamento das práticas no trabalho da supervisão e orientação escolar. Todos relataram como acompanham os professores e alunos, de que forma organizam seus planejamentos, seus relatórios, como acompanham as avaliações e
traçam estratégias de intervenção. Após as discussões houve o compartilhamento das mesmas com o grupo maior. Muita troca de experiências, que veio acrescentar riqueza de ideias ao trabalho de todos.

No segundo dia, recebemos o Padre José Ricardo, que nos falou sobre os desafios da pastoral juvenil na escola. Ele usou a metodologia da ouvidoria e dialogou com o grupo, que participou ativamente com contribuições e relatos. Foi um momento informal, um bate papo com o grupo, que nos deu a real ideia do que vem a ser uma “Escola em pastoral”: um trabalho que perpassa todas as áreas e que não se restringe a eventos pontuais Todos devem refletir a Glória de Deus com sua postura e suas ações.

Depois foi minha vez. Falei sobre a Avaliação Escolar. Usei um período da manhã e toda a tarde, que ficou dividida da seguinte forma:
  •      Primeiro traçamos um histórico das concepções pedagógicas e suas repercussões para a avaliação;
  •    Falamos sobre a avaliação na perspectiva das competências e habilidades, seu surgimento e destacamos a implantação das avaliações externas no Brasil bem como a criação dos PCNs;
  • Vimos a avaliação por segmento, onde destacamos os instrumentos mais adequados para cada idade, segundo características do desenvolvimento humano;
  •  E por fim, falamos sobre a proposta da Rede Salesiana de Escolas, usando os textos da Dra Kátia Smole.


Á noite, houve um delicioso coquetel, onde o pessoal caprichou no visual. Todos muito elegantes em um ambiente acolhedor e alegre e com uma ótima comida!
No último dia, tivemos um bom dia muito animado, feito pelas “meninas” do Colégio Salesiano BH e uma palestra com a assessora Eliane Aquino, sobre a relação educador x educando. As pessoas foram desafiadas a se lembrar de professores que os marcaram e tivemos belíssimos depoimentos, que emocionaram a todos nós.

A gestora do polo BH Rita Jelinek nos falou sobre sua atuação. Ela nos demonstrou o planejamento de trabalho delineado pela Rede Salesiana e se colocou a inteira disposição de todos no que se fizer necessário.

Para finalizar, selecionei o emocionante filme “Cuerdas”, que nos conta a história de uma menina chamada Maria, que acolhe um menino com paralisia cerebral que chega ao orfanato onde ela mora. A menina investe tudo no amigo. Inclui, ama, acolhe. E se torna uma professora quando cresce. Desafiamos o grupo a se tornar como esta menina no seu cotidiano.

Preparamos muitos “mimos” para esta equipe especial: na chegada, mensagem sobre a cama de boas-vindas. No credenciamento, pães de mel recheados de nozes, que fizeram o maior sucesso! E ao final, coração de acrílico com balinhas, para mostrar todo o amor que devemos dedicar à educação.


O Encontro foi um sucesso graças à participação de todos. Agradecemos o envolvimento e desejamos muito sucesso no trabalho!

sábado, 22 de março de 2014

Outono: tempo de mudanças


Na semana passada entramos no outono.
Cada estação do ano tem suas características bem específicas. O outono é a estação dos ventos fortes e das folhas que caem. É a vida que se renova.
Mudanças nos convidam a novas posturas e nos oferecem uma série de aprendizados para a vida.
O outono é uma época de transição entre os extremos de temperatura verão-inverno.
Qual é a principal imagem que lhe vem à mente quando pensa em outono?
É bastante provável que a maioria das pessoas responda a essa pergunta lembrando da clássica imagem das árvores perdendo suas folhas.
Mas você sabe por que acontece essa perda? Se as árvores não as deixassem ir, não sobreviveriam à próxima estação. As folhas se queimariam com o frio do inverno e, assim, os ciclos de respiração da árvore se findariam bruscamente, o que resultaria no fim da vida.
Embora seja a estação das folhas que caem, o outono é também o momento que a vida se renova. A Bíblia diz: "Depois da tempestade vem a bonança".
O que a princípio pode parecer uma perda é na verdade um ganho: a árvore ganha mais tempo de vida, e chega renovada às próximas estações.
Talvez seja chegado o momento de tomar consciência e assumir uma atitude de compromisso consigo, desapegando-se daquilo que não lhe serve mais. Deixe as folhas caírem...
Não é simples, nem fácil, mas também não é impossível. Como tudo na natureza, nossos processos de mudança carecem de tempo para se instalarem.
O outono é também estação de amadurecimento dos frutos.
Tempo para ir amadurecendo, até que seja o momento da colheita.
Reflita sobre os pesos desnecessários que podem estar atrasando seu caminhar, vá se desapegando e deixando ir.
Acredite que vale a pena se libertar para deixar nascer um novo tempo.

quinta-feira, 20 de março de 2014

Formação no Colégio Salesiano Dom Bosco de Brasília

Esta semana estive em Brasília, fazendo formação de professores e equipe técnica, no Colégio Salesiano Dom Bosco.

Foram momentos muito ricos, onde pudemos refletir sobre teorias pedagógicas que nos ajudarão a desenvolver um trabalho de qualidade.

Á tarde fizemos a formação das educadoras da Educação Infantil e primeira série, sobre Alfabetização e letramento.
Depois conversamos com a equipe técnica sobre avaliação externa e processos educativos internos.

Á noite fizemos a formação dos professores do Ensino médio e fundamental II. Conversamos sobre Avaliação Escolar, seu contexto atual e as mudanças devido a alguns fatores, tais como: a nova família brasileira, globalização, diversidade, dentre outros.

Apontamos a necessidade utilizar diversos instrumentos de avaliação e não apenas as provas.

Falamos sobre as vantagens e desvantagens de cada um deles e delineamos o planejamento adequado para usar cada um.

O grupo foi muito receptivo e participativo e na avaliação, muitos sinalizaram o desejo de dar continuidade a esta formação.
A educação precisa de gente alegre, animada e disposta, como esta equipe que encontrei lá.

Ganhei até presente!

Agradeço, de coração, a acolhida.

sábado, 8 de março de 2014

Felicidades pelo Dia da Mulher!

No dia de hoje, espero que cada mulher ocupe seu espaço. Que seja valorizada, que seja respeitada. Que seja amada.

Segundo dados do Dieese (www.dieese.org.br ) as mulheres correspondem a 41% da População Economicamente Ativa do Brasil e mais de um quarto das famílias são chefiadas por elas. Elas trabalham fora, são produtivas, multifuncionais.

Mas nem tudo são flores. Pela pesquisa, as mulheres possuem maior nível de escolaridade que os homens, porém não ocupam funções compatíveis com sua formação, além de ter remuneração menor se comparada ao sexo oposto. As mulheres também lideram pesquisas ligadas a violência doméstica.

Bem aventurada a mulher que, em seu caminho, encontra Cristo: escuta-O, acolhe-O, segue-O, como tantas mulheres do evangelho, e se deixa iluminar por Ele na opção de vida.

Bem aventurada a mulher que, dia após dia, com pequenos gestos, com palavras e atenções que nascem do coração, traça possibilidades de esperança para a humanidade.
Parabéns a todas as mulheres do mundo! A vocês, minha homenagem, meu apreço e meu carinho.

quinta-feira, 6 de março de 2014

A cultura do excesso

Aproveitei o feriado de carnaval para assistir filmes, repousar, dormir bastante e ver documentários (adoro!). Algumas coisas que vi me chamaram a atenção e me fizeram refletir.
Vivemos hoje a “Cultura dos excessos”. Tudo tem que ser demais, hiper, mega, intenso, tem que ser muito, tem que aparecer. Eu prefiro a simplicidade, a leveza, como expressa a foto ao lado.

Peguei-me analisando as musas das escolas de samba. É muita perna, muito peito, muito bumbum, muita nudez, muita vontade de se sobressair sobre as outras, por meio dos excessos que se faz só pra aparecer.

Elas desfilam em uma escola, depois passam pra outra, dançam horas de samba na avenida, e fazem muito, muito, muito esforço. Muito sangue, muita dedicação à malhação, à abstinência alimentar, algumas tomam bomba, excesso de ensaios, compromissos, fotos, trabalho. 

Está imposta a ditadura da beleza, da perfeição, o paradigma da juventude eterna. E dá-lhe implantes, botox, próteses, apliques. São mulheres esculpidas artificialmente. O corpo delas não é 100% natural. É muita coisa pra pouca aparição: é um excesso.

De repente tudo ficou tão superficial, artificial...Como diz o sociólogo francês,Gilles Lipovestsky, a humanidade colocou o virtual acima do real, passou a preferir o replay do lance pela tevê ao gol visto no estádio.

A cultura do excesso é isso: as coisas parecem verdadeiras, mas são exageradas. São bolhas que, se a gente colocar um alfinete, estouram. É um excesso de futilidade, excesso de esforço inútil. Excesso que não compensa, que não vale a pena.

É um excesso que gera cansaço, enfado e frustração. Saia da cultura do excesso. Alivie as cargas, alivie a bagagem. Ao fazer isto você via ter um excesso: de FELICIDADE!!!!