Como educadores, lancemos boas sementes...

.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Você se ama?


Navegando na internet, deparei-me com as fotos e críticas em torno da Madrinha de bateria da mangueira, Gracyane Barbosa. ( na foto ao lado veja o antes e o depois)
No passado, ela se destacou por seu corpo escultural, que sempre despertou desejo nos homens e inveja nas mulheres. Pois bem, ela não se conformou. Correu na busca frenética pelo corpo “perfeito”, malhou, malhou ( na minha opinião tomou alguma “bomba”) e deformou-se todinha.
Ficou masculinizada, musculosa demais e está recebendo críticas e chacotas por parte das pessoas e da imprensa.
Gente, porque correr atrás de mais e mais e não se contentar com nada?
Nós mulheres temos que ficar atentas às cobranças, pressões, estereótipos que nos são colocados. É preciso trabalhar bem a nossa autoestima para não cair em armadilhas e correr atrás do vento.
E que dizer da cantora britânica Amy Winehouse? Ela tinha sucesso, um voz maravilhosa, dinheiro, fãs, carreira com repercussão mundial... O que mais um ser humano pode querer? Teve um triste fim...
Lembro-me aqui de outro astro, Michael Jackson.
NUNCA vi um artista tão completo e tão talentoso como ele. Mas não se enxergava desta forma. Morreu sem se aceitar, buscando mudar coisas que não podem ser mudadas, como sua cor, por exemplo.
Pessoas com auto imagem distorcida, com infâncias marcadas por várias turbulências, com problemas pessoais, sociais e afetivos, sofrendo as pressões da sociedade para se tornarem pessoas que não são. Como se esta transformação, em ser quem você não é, fosse a única forma de se aceita e amada.
E estas situações todas me fazem refletir.
É preciso se aceitar. Se amar. Mudar o que pode ser mudado e aceitar aquilo que não podemos mudar, ou seja, aquilo que Deus determinou para nossas vidas.
Como educadora, me ponho a pensar em quantas coisas posso fazer pelas pessoas ajudando-as a se amarem e cultivarem seus pontos fortes.
Estarei atenta...

4 comentários:

  1. Concordo !!! Tudo em exagero não faz bem . Quando digo tudo é tudo mesmo. Até a religião exagerada se torna chata. A gula , o amor. Devemos ter um equilíbrio no nosso caminhar diário !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por sua contribuição. Equilíbrio é a palavra chave..

      Excluir
  2. Michael Jackson tinha vitiligo, uma doença desencadeada por problemas emocionais muito graves, que causa falhas na pigmentação da pele, geralmente começando pelas mãos. Alguns médicos recomendam o aceleramento da doença pra que a pessoa não fique com aquele aspecto manchado. Após a aceleração induzida da doença a pele fica sem melanina e muito sensível ao sol. Para um artista seria chocante aparecer todo manchado. O caso de Michael jackson é muito complexo. Não é simplemente a busca do padrão de beleza por si só. Mas um problema psicológico causado pelo pai quando ele ainda era criança e durante a sua adolescência. O pai dizia que ele era um negro narigudo e muito feio. Na adolescência as espinhas também foram motivo de desrespeito, fora as surras e a violência doméstica, a repressão religiosa. Mas concordo a busca insana pelo corpo, rosto, pele perfeitos está transformando as pessoas em seres "monstruosos". Será que é belo a mulher se masculinizar dessa maneira? Cadê o bom senso? É só olhar para essas mulheres todas deformadas pela plástica, e puxam as rugas daqui e dali faznedo cirurgias constantes pra barrar o efeito do tempo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por sua participação. A história do Michael Jackson é mesmo muito triste. Quanto a busca pela eterna juventude ou pela perfeição realmente é é algo escravizante.

      Excluir