Como educadores, lancemos boas sementes...

.

sábado, 24 de setembro de 2016

A Base Nacional Comum a todos: o medo

O anúncio das mudanças do formato do Ensino Médio causou grande celeuma na semana passada. 

Jornais, revistas, redes sociais e todas as mídias se voltaram para esta temática.

Educadores tentando compreender tudo e calculando o impacto que elas trarão para suas práticas cotidianas.
Gestores, especialistas, pais e alunos, todos querendo compreender o fenômeno e saber o que de fato vai afetar suas vidas e sua prestação de serviço.

Em síntese, a proposta está pautada em uma Base Nacional Comum, ou seja, disciplinas obrigatórias e outra parte de livre escolha dos estudantes.

Toda esta movimentação, me fez refletir: o novo assusta. Desconstruir as bases, rever paradigmas, pensar na possibilidade de tatear no escuro, causa sentimentos diferenciados nas pessoas. Mas, todos eles escondem “uma base nacional comum”: o medo.

O fantasma do medo assola todas as pessoas.  Medos diferenciados é bem verdade, mas presentes em todos nós.

Para os profissionais da educação, ou o setor que está envolvido com ela, os medos são mais concretos. Em primeira linha está o medo de perder o posto de trabalho, associado à demora para encontrar outro caminho. E a temida sensação de que os rendimentos familiares, raros, não chegarão ao final do mês, ou de que não se saiba onde buscar o alimento para o dia seguinte.

Aos que ocupam uma posição de liderança e são mais abastados, que tem investimentos, são donos de escola, sistemas de ensino, editoras e empresas fornecedoras e afins, prevalece o medo diante do humor sempre instável e imprevisível do mercado. Medo de perder o negócio, os privilégios conquistados, a riqueza, a renda, enfim, de perder a posição social e a consolidação diante do mercado educacional.

Espremida entre os educadores e os investidores, os alunos e as famílias também tem seus medos, porque, por natureza, morrem de vontade de subir na vida por meio da educação e, simultaneamente, morrem de medo de que a qualidade e as oportunidades venham a cair.

Outros medos ocultos e invisíveis povoam o coração, a mente e a alma do ser humano cotidianamente:
Medo da solidão e da multidão; medo da dor e da doença, particularmente aquela que nos deixa, em tudo e para tudo, dependentes de outrem; medo de perder o calor, conforto e refúgio do lar, da separação dos entes queridos, da velhice inexorável, do convívio permanente com o fantasma da morte; medo do amanhã, do erro quanto à escolha nas relações pessoais, familiares e comunitárias, bem como quanto à opção profissional; medo da sensação de vazio, de falta de sentido e de inutilidade da própria existência; medo de avião, de elevador e de altura; fobias...

E há um medo bem característico da sociedade moderna ou pós-moderna, contemporânea e extremamente competitiva. Trata-se do medo de ficar para trás.

Disputa frenética pelos objetos da última temporada, pelos aparelhos da tecnologia de ponta, pelo carro do ano, o celular do momento, a roupa e o calçado da moda... Medo de perder a corrida para o vizinho ao lado, o parente esnobe ou o companheiro de trabalho. Medo de se tornar antiquado, tradicional, ultrapassado; do correr dos anos que faz ganhar peso, perder cabelo e criar rugas. Medo de não aparecer como o primeiro no bairro, na família e entre os amigos.

Medo do Ranking do ENEM. E da perda de alunos.

Isso mesmo, sai de cena a famosa frase da tragédia de Shakespeare, em Hamlet, “ser ou não ser, eis a questão”. Aqui o importante não é ser, mas pura e simplesmente aparecer. Como nos sinaliza o francês Guy Debord em seu livro “ A sociedade do espetáculo”:

TUDO O QUE É BONITO APARECE. TUDO O QUE APARECE É BONITO.

Quantos medos moram no íntimo do coração humano, povoam sua mente, e lhe atormentam a alma?! Quantos medos sobrecarregam os ombros de todo ser humano?
Medos resistentes como ervas daninhas, difíceis, quase impossíveis de exorcizar!

Como uma pessoa de bases cristãs que sou, penso que talvez nos falte um dos ingredientes que, desde os primórdios da história da humanidade, contribuíram decisivamente para o crescimento desta civilização. Refiro-me à tradição judaico-cristã, tão fortemente enraizada nos países e culturas ocidentais. Sim, talvez estejamos carentes da utopia da Terra Prometida ou da Boa Nova do Evangelho, o Reino de Deus, com seu horizonte escatológico.

Efetivamente, a vida, ação, obras e palavras de figuras como Jesus, Moisés e Paulo (para citar apenas esses testemunhos) nos asseguram que as pessoas movidas pela fé, esperança e caridade são capazes de exorcizar o fantasma do medo em suas mais diversas máscaras e ameaças. E temos outras figuras históricas, que nos ensinam com sua garra e determinação a enfrentar os medos frente a um ideal: Mandela, Gandhi, Madre Teresa de Calcutá.

Para não ficar só em exemplos da esfera da fé e contemplar também os céticos com histórias de esperança, temos o grupo Alpargatas (das sandálias havaianas) que se deparou com os novos entrantes e mudanças e resolveu se reinventar e dar a volta por cima.

Contrariamente, a Kodak, que detinha grande parte da fatia do mercado da fotografia no mundo, se recusou a dialogar com as novas tendências do mercado e foi engolida pelo Instagram, para onde migraram os amantes da fotografia.

Só existe uma forma de vencer o medo: é encarnado o medo de frente!

Ao nos darmos conta de que toda novidade traz consigo uma grande oportunidade, nossos medos se transformam em esperanças

Nenhum comentário:

Postar um comentário